Categorias


Contactos

Praça da Corujeira 38,
Apartado 3825 | 4300-144 Porto
telf: +351 225 899 626/8
fax: +351 225 899 629
geral[at]dignus.pt

16 de Maio, 2022

Portal Dignus

Mais um site WordPress

Benefícios do animal de companhia para os idosos

2 min read
Existem vários estudos que compravam os inúmeros benefícios em ter um animal de estimação, em qualquer etapa da vida. Para a população mais velha, essa vantagem vai além da redução do stress, da diminuição da pressão arterial e do combate à solidão.
Benefícios do animal de companhia para os idosos

Prevenção de doenças cardiovasculares, criação de rotina, sentido de segurança, redução de stress, combate à solidão, criação de um novo propósito e compromisso, melhoria da vida social, tratamento contra a depressão e incentivo à atividade física ao ar livre são apenas alguns dos benefícios de um companheiro de quatro patas. A verdade é que ter um animal de companhia obriga qualquer um mexer-se, principalmente se for necessário passeá-lo duas vezes por dia.

Recentemente, um estudo feito por investigadores da Universidade de Michigan veio acrescentar mais um benefício à lista: a proteção da capacidade cognitiva do idoso. O estudo preliminar apresentado em fevereiro mostra que ter um animal de estimação diminui o ritmo de perda de habilidades cognitivas em comparação com participantes sem animais.

Um animal de companhia pode aumentar a atividade física, o que pode beneficiar a saúde cognitiva”, afirmou a autora, Tiffany Braley, no estudo. “O stress pode afetar as funções cognitivas de forma negativa. A possibilidade de enfraquecer os potenciais efeitos do stress através da posse de um animal de estimação parece fornecer uma razão plausível para as nossas descobertas”, acrescentou. O estudo de Braley analisou dados de 6 anos com uma amostra de 1369 pessoas, com idade média de 65 anos, registados no Health and Retirement Study.

O vínculo homem-animal remonta à Pré-história, sendo que os primeiros artigos publicados sobre o benefício do animal de companhia na saúde mental remontam à Inglaterra de 1702 e ao psiquiatra William Tuke. Apesar de, ao início, o animal ser considerado apenas como um elemento útil para a caça, pesca e pastoreio, atualmente essa ideia já extrapolou para outra dimensão: a de companhia. Na verdade, não falamos apenas em cães e gatos quando falamos do animal enquanto ajudante em práticas de saúde. Existem inclusive terapias com cavalos e golfinhos, usadas sobretudo em pessoas com necessidades especiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.