Portal Dignus

Mais um site WordPress

Criado exame de sangue que identifica a depressão

2 min read
Investigadores da Universidade de Illinois e da Universidade de Utah, nos Estados Unidos, detetaram um biomarcador presente nas plaquetas humanas que pode ser utilizado para identificar a depressão em exames sanguíneos.
Criado exame de sangue que identifica a depressão

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 300 milhões de pessoas, em todo o mundo, sofrem de depressão.

Investigadores da Universidade de Illinois e da Universidade de Utah, nos Estados Unidos, detetaram um biomarcador presente nas plaquetas humanas que pode ser utilizado para identificar a depressão em exames sanguíneos. Esta descoberta foi divulgada na revista científica Molecular Psychiatry e citada pela revista Galileu. 

O biomarcador, agora descoberto, pode ajudar a discernir a eficácia de medicamentos psiquiátricos no tratamento de doentes deprimidos. A equipa de cientistas analisou pesquisas prévias feitas em animais e em seres humanos, que revelaram que, quando estamos clinicamente deprimidos, se dá a redução da adenilil ciclase – uma molécula produzida por neurotransmissores como a serotonina e a adrenalina, responsáveis por regularem o estado de humor.

Em quadros de depressão, a produção dessa molécula diminui, já que, a proteína Gs alfa, que permite os neurotransmissores fabricarem a adenilil ciclase, é retida por uma matriz abundante em colesterol na membrana celular.  Ainda, segundo a publicação da revista Galileu, o estudo identifica nas plaquetas humanas o biomarcador para essa viagem de translocação da Gs alfa nos ‘barcos’ de gordura. Sendo que os académicos esperam usar exames de sangue para mostrar se a proteína está ou não nas Gs alfa. Pesquisas anteriores revelaram que os pacientes que mostraram uma melhoria na depressão tinham a Gs alfa fora dos ‘barcos de lípidos’, ao contrário daqueles que estavam a ser tratados com antidepressivos, mas que continuavam com sintomas, a proteína permanecia presa nesse trajeto. Atualmente, são necessárias várias semanas, por vezes meses, para se conseguir averiguar se os antidepressivos funcionam devidamente.