Portal Dignus

Mais um site WordPress

Fatores de risco cardiovasculares

2 min read
O Serviço Nacional de Saúde divulgou os resultados de um estudo do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA)

O Serviço Nacional de Saúde divulgou os resultados de um estudo do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), que indica que mais de metade dos portugueses são obesos ou pré-obesos e 43% têm hipertensão arterial.

O estudo e_COR – Prevalência de Fatores de Risco Cardiovasculares na População Portuguesa revela que a população portuguesa necessita de controlar melhor os seus fatores de risco para doenças cérebro e cardiovasculares.

Os autores do estudo indicam que 68% da população apresenta dois ou mais fatores de risco para doenças cardiovasculares e 22% quatro ou mais. Os fatores de risco mais relevantes são a diabetes mellitus, colesterol elevado, hipertensão arterial, pré-obesidade/obesidade e tabagismo.

Os investigadores defendem que os dados recolhidos mostram a necessidade de as autoridades de saúde “desenvolverem estratégias para rastrear a população em geral quanto aos fatores de risco para as doenças cardiovasculares e promovam medidas de estilo de vida adequadas e literacia em saúde“.

O estudo, que avaliou uma amostra de 1688 pessoas através de exame físico, análises clínicas e um questionário, indica ainda que, “não obstante o decréscimo verificado nos últimos anos, as doenças cérebro-cardiovasculares continuam a ser a principal causa de morte em Portugal e a esperança de vida saudável aos 65 anos de idade é inferior à média europeia”.

De acordo com os dados divulgados, o estudo estimou prevalências de diversos determinantes de saúde, nomeadamente a dieta inadequada (71,3%), pré-obesidade/ obesidade (62,1%), hipertensão arterial (43,1%), hábitos tabágicos (25,4%) e nível baixo de atividade física (29,2%).

Os investigadores salientam também “o elevado grau de desconhecimento dos indivíduos em relação à sua situação clínica e à medicação prescrita”, sublinhado que estes dados reforçam “a necessidade de melhorar a literacia em saúde”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.