Categorias


Contactos

Praça da Corujeira 38,
Apartado 3825 | 4300-144 Porto
telf: +351 225 899 626/8
fax: +351 225 899 629
geral[at]dignus.pt

16 de Maio, 2022

Portal Dignus

Mais um site WordPress

E quando os irmãos não ajudam com os pais idosos…

2 min read
No cuidado aos pais idosos, os conflitos com os irmãos são frustrantes. O que pode fazer quando os irmãos...

No cuidado aos pais idosos, os conflitos com os irmãos são frustrantes. O que pode fazer quando os irmãos não ajudam nos cuidados aos pais?

Apresentamos 6 dicas para melhor gerir a situação:

1. Não espere igualdade

É importante ter expetativas realistas. Infelizmente as responsabilidades de cuidar são, quase sempre, divididas desigualmente. Em vez de esperar igualdade na distribuição das tarefas, concentre-se no que cada pessoa tem mais facilidade em fazer.

2. A quantidade de ajuda que cada um pode dar pode variar

A quantidade de ajuda que um irmão pode dar depende de quão perto ele está de onde os pais moram. É natural que as pessoas que vivem mais próximas sejam aquelas que consigam ajudar mais.

Se é um dos irmãos que vive mais próximo, peça aos seus irmãos que vivem mais longe que ajudem na pesquisa ou na papelada, contribuam financeiramente ou façam uma visita e assumam o cuidado para que consiga fazer uma pequena pausa.

3. Ninguém é leitor de mentes

Quando os irmãos não estão lá para testemunhar a vida quotidiana, eles, geralmente, não entendem o quão valioso está a ser o trabalho do(s) cuidador (es). Esperar que um irmão saiba quando a ajuda dele é necessária, não uma atitude realista – eles não conseguirão ler a sua mente.

É por isso que é importante pedir ajuda quando precisa. E se os irmãos se recusarem a ajudar, procure ajuda de recursos da comunidade, amigos ou contrate ajuda profissional.

4. Saiba quando deve deixar ir

Alguns irmãos podem recusar-se a ajudar os pais ou podem parar de ajudar em algum momento. E, por vezes, a melhor abordagem é deixá-los ir.

5. Entenda que nem todos são sabedores

Às vezes os irmãos não fazem a sua parte do trabalho porque não acham que há um problema ou negam a gravidade da situação. E nesse caso deve partilhar a informação – anotações médicas, diagnósticos, resultados de testes – de forma regular, por email, telefone, reunião familiar, entre outros.

6. Reconheça os pontos fortes de cada um

Cada pessoa tem uma personalidade e forças diferentes. Algumas pessoas podem adaptar-se bem a cuidados práticos, outras podem ser ótimas para tratar das questões de saúde, outras podem ser boas em tarefas domésticas e a arranjar as pequenas avarias domésticas, e outras podem ser ótimas com burocracias legais. Reconheça que cada pessoa tem pontos fortes e fracos e peça a cada irmão para ajudar nas tarefas para as quais eles estão mais aptos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.